Vendas para o Natal estão fracas

20

Lojistas esperam 13º salário e a inauguração de novas lojas

As vendas do comércio da Região para o Natal ainda não animaram os comerciantes que estão reticentes sobre o desempenho neste ano.  As previsões otimistas indicam um aumento de 15% em relação ao ano passado, índice considerado baixo para a data. O setor ainda acredita que as compras de última hora possam impulsionar o varejo.

Os comerciantes de rua acreditam que as vendas devem aumentar após o dia 20, quando boa parte dos trabalhadores recebe o 13º salário.

“Este ano está fraco, nesta época, mesmo sem o abono, as ruas costumavam estar lotadas. As pessoas parecem não estar em clima de Natal ainda. A maioria pesquisa produtos e preços, mas não compra”, afirmou a gerente da loja de roupas infantis Meu Mel, da rua Marechal Deodoro em São Bernardo, Josileide Aparecida de Abreu.

A atendente de telemarketing Luciana Torres, 29 anos, é exemplo da cautela do consumidor. “Estou ainda pensando no que comprar. Mas, enquanto não receber o 13º não posso gastar. Este ano, os presentes devem ser lembrançinhas, por isso, preciso pesquisar muito”.

Outra possibilidade para o fraco desempenho são as dívidas dos consumidores, de acordo com proprietário de uma loja de artigos infantis, Massayuki Hashizumi. O comerciante diz que muitas solicitações não estão sendo liberadas pelas operadoras de cartões de crédito. “O setor tem verificado que os créditos não são aprovados e, por isso, a venda não é concretizada. As pessoas estão endividadas e não sei se o 13º será a salvação, pois poderá ser canalizado para quitar dívidas”.

Dívida – Os dados disponíveis sobre a inadimplência em Diadema são de outubro e aumentaram 5% em relação ao mesmo periodo de 2010, de acordo com ACE (Associação Comercial de Diadema). As demais associações comerciais na Região afirmaram que os índices são semelhantes, mas não informaram os dados.

“O mercado parece um pouco cabisbaixo, já há sinais de que esse ano não será como o de 2010, período que registrou grande movimento. Mas, vamos aguardar o final do mês para ter um termômetro mais preciso”, disse Wilson Pelizaro, responsável pelo Shopping Praça da Moça, que ganhou a decoração de Natal esta semana.

Decoração – As decorações natalinas também não estão predominantes como nos anos anteriores nas ruas do comércio da Região.  E com a instalação dos enfeites, os consumidores devem se animar com as compras, de acordo com o economista Sandro Maskio.

“O brasileiro tem o hábito de deixar as compras para a última hora. Todos os anos, o setor aquece depois que as pessoas recebem o 13º salário. E este ano não será diferente. As pessoas precisam lembrar que é Natal. Com as lojas decoradas, o consumidor começa a entrar no clima e perceber que a data se aproxima”, afirmou.

O feriado  prolongado da Proclamação da República (15/11) também pode ter atrapalhado  os consumidores, que geralmente antecipam as compras. “Com um feriado prolongado, as pessoas podem ter reservado o dinheiro para o lazer, viajar e  passear. E as compras foram adiadas para o final do mês ou para dezembro. Acredito que assim, os comerciantes podem ficar um pouco mais otimistas”.