UTI PEDIÁTRICA DE DIADEMA NÃO TEM PREVISÃO DE REABERTURA

Prefeitura fechou o serviço há três meses alegando não haver médicos suficientes para garantir continuidade do atendimento

A UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) pediátrica do Hospital Municipal de Diadema não tem data para ser reaberta. A Prefeitura fechou o serviço há três meses alegando não haver médicos suficientes para que o atendimento continuasse. O setor contava com quatro leitos e 12 médicos, mas no início do ano seis médicos deixaram o sistema público da cidade.

Um abaixo-assinado com mais de 3,5 mil assinaturas foi organizado e entregue na Câmara pedindo a reabertura do serviço. “Hoje os atendimentos que eram feitos na unidade são encaminhados para a Central de Regulação, que tenta encaixar os pacientes em outros hospitais da Região ou da Capital. Isso é um absurdo, pois a cidade tem o serviço”, afirmou a vereadora Lilian Cabrera (PT).

A vereadora destacou que já apresentou requerimentos solicitando que a Prefeitura dê prazo para a retomada do serviço, mas até o momento as repostas não foram satisfatórias. “Não dão uma data ou um prazo para a retomada do serviço. Vamos pedir uma audiência com o secretário de Saúde [José Augusto da Silva Ramos] para que o assunto seja resolvido.”

RETROCESSO

Para Lilian, o que ocorre hoje na cidade é um retrocesso, pois o município foi um dos únicos do Estado a ter 100% do Programa Saúde da Família. “Hoje há problemas para montar plantões em UBSs (Unidades Básicas de Saúde), descaso com as agentes de saúde, que trabalham na prevenção e promoção de saúde na cidade. Temos de caminhar para frente, mas não é isso que está ocorrendo”, destacou a vereadora. 

Vereador vê precarização dos serviços de saúde

Para o vereador Josemundo Dario Queiroz (PT), o Josa, o caso está atrelado às demissões no setor de saúde que estão ocorrendo desde o início do ano. “Está havendo uma precarização dos serviços de saúde na cidade. Já houve uma reunião com o secretário de Saúde, mas não há um posicionamento sobre o assunto, por isso vamos solicitar outra audiência”, disse.

A assessoria de imprensa da Prefeitura informou que a unidade será reativada assim que for restabelecido o quadro de profissionais médicos. “Atualmente, há dificuldade para contratação desses profissionais no setor público. Entretanto, a Prefeitura reitera a posição de continuar contratando profissionais com recursos próprios para diminuir e/ou sanar essa déficit”, diz a Administração em nota.

Atualmente, o déficit de médicos na cidade é de aproximadamente 80 profissionais, de acordo com a Prefeitura, sendo que há necessidade maior para clínica médica e médicos generalistas. Porém, a cidade não está participando do programa Mais Médicos do governo federal. A Prefeitura afirma que não conseguiu fazer a inscrição no site do Ministério da Saúde devido a problemas técnicos no portal da pasta.