MANIFESTAÇÃO EM S. BERNARDO TEM SAQUES E QUEBRA-QUEBRA; RAPAZ É BALEADO

Tiro partiu de um homem que dirigia Fiesta azul, na Anchieta

Um protesto com cerca de 2,5 mil pessoas fechou ruas da região central de São Bernardo no final da tarde e noite desta segunda-feira (01/07). O grupo se dividiu em dois, um passou pela Anchieta – onde um rapaz foi baleado no ombro por um carro que passava pelo local – e seguiu para o Paço de São Bernardo. O segundo bloqueou os trólebus no Centro. No fim da noite, vidros e portas do Paço foram quebrados, assim como vidros do banco Santander e da Rede Fácil, e um portão de acesso à Câmara. Houve saques na rua Marechal Deodoro.  

Um rapaz que acompanhava a manifestação próximo ao km 16 da Anchieta foi baleado no ombro. Mayara Vivian, do Movimento Passe Livre, estava com ele no momento e disse que o disparo partiu de um homem que dirigiu um Fiesta azul.  

“Nós já estávamos saindo da Anchieta e a manifestação seguia pacífica, quando um cara começou a jogar o carro para cima das pessoas. Então ele saiu e disparou na direção da manifestação. Depois entrou no carro sem prestar socorro e fugiu”. O rapaz foi levado do Pronto-Socorro Central e passa bem. O nome não foi divulgado. 

Pouco depois das 20h, o grupo que seguia pela Anchieta cruzou a avenida Lions seguiu pela Senador Vergueiro rumo ao Paço. 

Outro grupo, com 200 pessoas e que permaneceu no Paço, se dirigiu à rua Marechal Deodoro às 20h10, correndo e batendo nas portas. A polícia bloqueou a rua e houve correria. A Tropa de Choque se posicionou na avenida Pery Ronchetti. 

Saques – Na Marechal, a Galeria 295, na altura do número 290, teve a porta arrombada. A mesma galeria havia sido alvo de vândalos em outra manifestação no último dia 21. Mais uma vez, a galeria foi invadida. Na fuga, os vândalos deixaram CDs e DVDs espalhados pelo chão. Outro saque foi feito na ótica Gil Lancaster, localizada ao lado da galeria, que foi completamente depredada. 

A ação dos vândalos espalhou temor nas imediações. No início da rua Jurubatuba, funcionários e clientes se esconderam na Farmais. Ilhados, pediram auxílio à polícia para sair da farmácia. 

Por volta de 21h, os manifestantes que haviam ido até a Anchieta voltaram novamente no Paço. Sentaram-se perto do Parque da Juventude, na rua. Tropa de Choque e policiais da Força Tática posicionaram-se perto. Um grupo se dirigiu ao Paço, onde os policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo. Vândalos atiraram pedras nos vidros do banco Santander e da Rede Fácil. Um portão de acesso à Câmara também foi quebrado. 

Quebra-quebra – A polícia usou bombas de efeito moral contra manifestantes que atiravam pedras, paus e outro objetos em direção da Prefeitura. O prefeito Luiz Marinho estava em reunião e chegou ao Paço pouco antes das 22h. Marinho criticou a ação dos manifestantes e afirmou que medidas preventivas poderiam evitar os estragos. 

 “A polícia tem que agir antes, não depois que começa o quebra-quebra. Isso aqui não foi uma manifestação, manifestação é algo positivo. Isso é ação de baderneiros”, disse. Foram encontradas barras de ferro no local, assim como pedras que foram retiradas do chão do Paço e atiradas contra o prédio.