Lei do som alto apreende dez carros por mês em Diadema

Em Diadema, o número de motoristas que tiveram seus carros apreendidos por causa de som alto praticamente dobrou nos primeiros quatro meses de 2013, em relação à média registrada no ano anterior. No período, pelo menos 45 veículos foram apanhados, o que equivale a uma média superior a dez carros por mês no quadrimestre. No ano passado, essa média foi de seis veículos por mês. Os dados são da Polícia Militar e da Prefeitura do município.

Na cidade, as multas variam entre R$ 256 a R$ 2.560, dependendo da gravidade. As infrações são divididas entre leve, grave ou gravíssima. A leve é caracterizada quando o ruído ultrapassa em até 10 decibéis o permitido, que são 70 decibéis. Quando o som ultrapassa este limite entre 11 e 30 decibéis, a infração é grave e, acima de 30 decibéis, é considerada gravíssima.

Entre os locais em que os jovens se reúnem em volta dos carros para ouvir suas músicas, o mais atrativo é o centro da cidade. “À noite, o centro fica fervendo, impossível de passar ou ouvir alguma coisa além do som deles. Melhora um pouco depois que a patrulha chega”, relata Vera Lúcia, 30, moradora da cidade.

Em nota, a prefeitura informou que tomou a decisão de implantar a lei porque percebeu um aumento exponencial de veículos com aparelhagens de som que “interferem na vida urbana demasiadamente”, tirando o sossego das famílias. Atualmente, o serviço registra cerca de sete reclamações por dia, número 9,5% inferior ao registrado no ano passado.

As multas, mesmo atingindo um valor alto no bolso de quem infringe a lei, parecem não assustar tanto quem realmente gosta do passatempo. “Quando fui multado aqui em Diadema, paguei R$ 1.000. O negócio é que você paga e depois pode continuar ouvindo as músicas como antes”, diz João Paulo, 23, morador de Diadema.