Professores da rede estadual aderem à greve em São Paulo

Professores da rede estadual de São Paulo resolveram aderir à greve nesta segunda-feira (22), por tempo indeterminado. Segundo o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp)  na ultima sexta-feira (19)  cerca de três mil professores participaram da decisão de suspender as aulas. No site do sindicato, os docentes pedem aos pais que não enviem os filhos para a escola.
Entre as reivindicações da categoria estão o aumento salarial de 36,74% e a implementação da lei do piso nacional, que prevê que 33% da jornada de trabalho dos professores seja destinada à preparação de aulas e à formação continuada.
De acordo com a Secretaria de Educação, um professor que leciona para estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e ensino médio, com uma jornada de 40 horas semanais, recebe, por exemplo, um salário-base de R$ 2.088,27. Com o aumento, passará a receber R$ 2.257,84 em 2013.
  
Eles ainda afirmam que o governo de São Paulo “cumpre integralmente a Lei Nacional do Piso Salarial do Magistério Público.” A pasta informou também estar “à disposição para o diálogo com as entidades sindicais, mas não abre mão de trabalhar também, e sobretudo, diretamente com seus próprios profissionais comprometidos com o avanço da qualidade de ensino.”
 
Em nota, a Secretaria de Educação do Estado garantiu ainda que as aulas estão acontecendo normalmente e recomendou ainda que os pais e alunos mantenham a rotina e não deixe de ir às escolas.
 
Está prevista para a próxima sexta-feira (26) uma nova assembleia da categoria para decidir se darão continuidade à greve.