Páscoa registra 17% de aumento no número de vagas temporárias no Brasil

O feriado de Páscoa deve registrar 17% de aumento no número de vagas temporárias no Brasil, ultrapassando a marca de 12 mil do ano passado

A Páscoa é o terceiro melhor período do ano para contratação de trabalhadores temporários, perdendo apenas para o Natal e o Dia das Mães. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Asserttem), a estimativa é que cerca de 14 mil vagas temporárias sejam preenchidas em todo o Brasil esse ano, um aumento de quase 17% comparado a 2021, em que a marca era de 12 mil.

Para a Allis Temporários, especializada em contratação de mãos de obra para o varejo, a alta demanda, que acontece na contramão dos preços elevados dos ovos de chocolate, se dá pelo momento de flexibilização, em que as pessoas querem retomar a tradição da data, ainda que optando pelas opções mais baratas.

O cenário da guerra na Europa, a inflação atual e a alta generalizada nos produtos dos supermercados refletiram nos ovos de Páscoa que encareceram, em média, de 12% a 15% em 2022, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Mesmo com a alta nos preços, o comércio espera um consumo 5% maior nesta Páscoa, com um faturamento que pode atingir a marca de R$ 2,160 bilhões.

Além de movimentar consideravelmente o varejo, as vendas no feriado devem gerar novas oportunidades de empregos temporários. “Somente na Allis, recebemos a solicitação de 915 vagas temporárias para uma ação sazonal na Páscoa. No geral, devemos realizar em torno de 1.200 atendimentos a mais, já que cerca de 200 trabalhadores podem ser reaproveitados dentro do modelo intermitente para outras demandas ao longo do ano”, explica Cristiano Pinzon, Coordenador de Operações da Allis.

As 14 mil vagas que serão abertas em todo o país deverão ser distribuídas, principalmente, na indústria de produção de ovos de chocolate e no varejo. Na indústria, as principais vagas são para auxiliares de produção e de expedição, motorista, entregador, auxiliar de cozinha, promotor de vendas, estoquista e operador de empilhadeira. Já no comércio, o foco será para balconista, degustador, demonstrador e repositor.

Os contratos de trabalho temporário possuem natureza transitória e prazos que não poderão exceder 180 dias, o que faz com que o vínculo entre o empregado e o empregador não seja permanente. “Ainda assim, é uma possibilidade importante para quem estava fora do mercado de trabalho e precisava de uma fonte de renda e, do lado da empresa, para a geração de mão de obra qualificada. Além disso, 1/3 dos temporários contratados geralmente são efetivados”, conta Cristiano.