Micoses de cães e gatos podem ser transmitidas para as pessoas

Não é somente no verão que contribui com o surgimento de micoses. Ambientes abafados, úmidos e quentes podem propagar os fungos causadores dessas infecções na pele em qualquer período do ano. Por exemplo, calçar meias e sapatos sem secar muito bem os pés, pode desencadear um quadro de micose na pele ou nas próprias unhas.

As micoses podem ser transmitidas, inclusive, através do contato com animais que tenham a doença. O tipo comum de micose que se desenvolve nos cachorros é a Tinha, causada pelo fungo Microsporum Canis, que pode ser transmitido entre cães, gatos e pessoas.  Nos gatos, o tipo de micose mais comum é a trichophyton mentagrophytes, que também pode chegar até os humanos.

É importante sempre examinar os animais – lesões pelo corpo ou ausência de pelos em regiões específicas podem indicar a presença de micoses. Nesses casos, é essencial levar o animal para uma consulta com um veterinário para que ele confirme a existência da micose e prescreva o tratamento ideal.

Vale lembrar que, assim como nas pessoas, os fungos se desenvolvem mais facilmente quando o sistema imunológico não está fortalecido, por isso, tanto médicos quanto veterinários podem, ainda, prescrever uma terapia com outros tipos de medicações para fortalecer a imunidade do corpo, além de indicar os antifúngicos.

As micoses podem causar coceiras e atingir regiões mais profundas da pele, gerando um quadro infeccioso de tratamento mais difícil e demorado. A melhor forma de aumentar as chances de erradicar o problema é iniciar um tratamento assim que a micose for percebida.

É importante, também, utilizar o medicamento adequado, que pode ser tópico (como uma pomada) ou via oral e deve ser prescrito por um especialista, após a análise do quadro para identificar qual o fungo causador.

Por exemplo, para a candidíase vaginal ou peniana é indicado o tratamento com Fluconazol, que pode ser administrado via oral ou intravenosa, para os casos mais graves. Esse mesmo medicamento pode ser utilizado contra as dermatofitoses. A utilização dos medicamentos antifúngicos depende diretamente da indicação de um médico especialista, pois um mesmo remédio pode resolver diversos tipos de infecções mas pode, também, não ser o melhor indicado para um caso específico.

Além dessas, os microfungos causam diversas outras infecções, como a onicomicose (micose de unha), pitiríase versicolor (pano branco), tinea pedis (frieira) e a tinea cruris (micose de virilha).

O “pano branco” é uma das micoses mais populares e causam pequenas manchas brancas e escamosas na pele do pescoço, braço, tronco e rosto. Já as onicomicoses atacam as unhas tanto dos pés quanto das mãos, tornando-as fracas e com uma coloração mais escurecida e podem até causar sua perda.

Mesmo sem sentir dores ou coceiras, busque um dermatologista caso surja alguma mancha na pele, independente de sua coloração. Mesmo não se tratando de uma micose, o surgimento de manchas no corpo normalmente indica que algo na saúde não vai bem e é melhor procurar auxílio médico o quanto antes para evitar maiores complicações decorrentes de algo que pode parecer inofensivo.