Fique atento ao desenvolvimento do seu dente do siso e evite problemas de saúde

Antes de realizar a extração do dente do siso – terceiro molar, o odontologista deve avaliar as condições do dente e também da boca, verificando se existe espaço suficiente para que ele se encaixe na arcada dentária sem comprometer o posicionamento dos outros dentes.

Portanto, se a erupção do terceiro molar for completa, ele estiver saudável e bem posicionado, possibilitando uma higiene bucal adequada, ele deve ser preservado. Porém, caso exista a necessidade de ser removido e o paciente demorar muito para procurar um especialista, o dente do siso pode acarretar sérias consequências, não só para a saúde bucal.

Quando não existe espaço adequado para o nascimento do dente do siso o ideal é que ele seja removido antes dos 30 anos. Isso porque a raiz do dente irá se calcificar ao longo do tempo, se misturando com o osso, tornando um procedimento que seria simples – a extração – em um risco para a saúde, com o aumento da possibilidade do surgimento de uma infecção.

Essas infeções, decorrentes de um desenvolvimento inadequado do terceiro molar, caso não sejam tratadas a tempo, podem acarretar prejuízo graves não só para a saúde bucal.

O dente do siso ocupa um espaço com muitos nervos e é de difícil acesso para o dentista. A falta de higienização adequada, devido ao incorreto posicionamento de um dente, possibilita o acúmulo de bactérias, levando ao desenvolvimento de infecções que podem chegar à corrente sanguínea, desencadeando doenças mais sérias no organismo.

Existem comprovações de que infecções bucais podem, por exemplo, ser responsáveis doenças cardiovasculares como a pericardite – inflamação do pericárdio – ou o infarto do miocárdio, além do AVC – Acidente Vascular Cerebral. Consultar regularmente um especialista e avaliar a saúde bucal é a maneira mais eficaz de evitar esse tipo de risco.